A equipe multidisciplinar do Hospital Dom Malan/IMIP de Petrolina deu início, na última terça-feira (12), ao projeto Gamp (Grupo de Apoio às Mães de Prematuros) com a apresentação dos profissionais e objetivos às mães da Casa de Apoio da unidade materno-infantil. A iniciativa, liderada pela fisioterapeuta Juliana Benevides, surgiu da necessidade de dar apoio e incentivo às mães de prematuros com relação ao aleitamento materno e bem-estar emocional. Além disso, a preceptora percebeu que muitos estagiários estavam chegando ao hospital com uma imensa vontade de aprender técnicas terapêuticas, sem demonstrar muito interesse pelo atendimento humanizado e/ou promoção da saúde.

Desse modo, o Gamp foi idealizado para abranger dois públicos: mães e profissionais. "Esses são os dois pilares de sustentação. Pela nossa experiência sabemos que ser mãe de prematuro não é fácil. Essas mulheres vivenciam um turbilhão de emoções e precisam de um suporte profissional para que possam cuidar bem dos seus bebês. Do outro lado temos a própria equipe que muitas vezes vê o serviço de saúde apenas pelo lado da assistência ou reabilitação. Então, a nossa proposta é justamente fortalecer o lado humano e promover saúde", esclarece.

Participam do grupo fisioterapeutas, psicólogos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fonoaudiólogos, equipe do Biama, serviço social e voluntariado. As atividades do Gamp acontecerão uma vez por semana, durante o período de uma hora. "Teremos atividades educativas, lúdicas, jogos, dinâmicas de grupo, oficinas, rodas de conversa muito diálogo", ressalta Juliana. No primeiro dia, por exemplo, além da apresentação, foi feito um momento de reflexão com a oração do bebê e uma oficina de desenho, onde as mães puderam expressar seus sentimentos.

 

Tamísia Carvalho Souza, de 22 anos, moradora do município de Trindade, teve Matheus no Dom Malan no dia 01 de junho, com apenas 24 semanas de gestação. Ele está recebendo os cuidados na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) e a sua mamãe se emocionou muito no encontro. Ao elaborar o desenho solicitado pela equipe ela não conseguiu segurar as lágrimas. Ao lado de um coração partido ela rabiscou a sua imagem com o Matheus no colo. "A gente fica frágil, mas não perde a esperança. Com certeza esse grupo de apoio irá nos ajudar bastante", acredita.

 

O GAMP é um projeto que nasce com o espírito de longevidade. "O Grupo de Apoio às Mães de Prematuros é um projeto do Dom Malan, que nós esperamos que permaneça vivo por muito tempo, assim como a nossa força de buscar fazer o melhor sempre por aqueles que precisam do hospital", finaliza a fisioterapeuta.