Últimas do Blog

Ferramenta está disponível para mais de 8,1 milhões de pessoas

Mais de 1,4 milhão de pernambucanos precisam ser imunizados

As datas são pela Redução da Mortalidade Materna e Luta pela Saúde da Mulher

Exames são realizados em 3 Centros. Informes são disponibilizados desde março

Recursos podem ser interpostos até 1º.06

Nomeados atuarão na rede hospitalar e na gestão de saúde neste momento da pandemia do novo coronavírus

Profissionais atuarão na Vigilância Epidemiológica Hospitalar

Hospital Metropolitano Oeste – Pelópidas Silveira

O Hospital Metropolitano Oeste Pelópidas Silveira (HPS), inaugurado em 8 de dezembro de 2011,  é um dos hospitais mais modernos e especializados do País, incluindo a rede privada. A unidade é a primeira do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil a oferecer assistência médica, exclusivamente, nas especialidades de neurologia, neurocirurgia e cardiologia. Com 12.734 metros quadrados de área construída, o HPS custou R$ 109 milhões, entre obra física e compra de equipamentos.

 

Hospital Metropolitano Norte – Miguel Arraes de Alencar

Inaugurado em 15 de dezembro de 2009, o HMA foi o primeiro grande hospital de trauma construído na Região Metropolitana do Recife em 40 anos – o último havia sido o Hospital da Restauração, em 1969. Também foi o primeiro, na rede pública de saúde, a adotar o modelo de gestão via Organização Social (OS). Hoje, a instituição é responsável por mais de 2 mil atendimentos de emergência mensais.

 

Hospital Regional José Fernandes Salsa

Com capacidade de realizar mais de seis mil atendimentos por mês, o Hospital Regional José Fernandes Salsa, localizado no município de Limoeiro, pertencente à II Geres e atende à população de cerca de 30 municípios da Zona da Mata Norte.  Casos até média complexidade são atendidos no hospital.

 

Um dos destaques é a maternidade 24 horas, onde obstetras, pediatras e anestesistas de plantão recebem os pacientes por ordem de gravidade. A unidade também assiste outras cidades mediante indicação da Central de Regulação de Partos da SES.

 

Hospital João Murilo de Oliveira

Localizado a 40 quilômetros do Cabo de Santo Agostinho, o Hospital João Murilo de Oliveira recebe pacientes de todo o Estado. 
 
O nome da unidade foi uma homenagem determinada pelo senador de Vitória de Santo Antão, João Cleofás. Na construção do edifício, levantado já para ser o hospital, em janeiro de 1969, ele decidiu homenagear o filho João Murilo, falecido em um acidente de trânsito. Atualmente, a unidade é gerida pela Organização Social do Hospital do Tricentenário. O hospital foi inaugurado no dia 10 de janeiro de 1969.

 

Hospital Getúlio Vargas

Fundado há 62 anos, o Hospital Getúlio Vargas, no Cordeiro, é referência no Estado na área de ortopedia, realizando, mensalmente, mais de 2.700 atendimentos na emergência e outros 20 mil no ambulatório. Há mais de dez anos, o local é o único da rede estadual a contar com um programa de órtese e prótese, oferecendo à população cadeiras de rodas, de banho, muletas, próteses de membros inferiores e superiores, entre outros, além de possuir equipe multidisciplinar para o acompanhamento do paciente durante todo o período de adaptação aos dispositivos ortopédicos.
 

Hospital Geral de Areias

O Hospital Geral de Areias (HGA) surgiu, em 1980, como Posto de Assistência Médica 7, vinculado ao antigo Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps). Ele foi incorporado, em 1990, ao Estado, quando ganhou a atual denominação. Atuando em casos de baixa e média complexidade, o hospital realiza, mensalmente, cerca de 3,5 mil atendimentos na emergência clínica, 3 mil na emergência pediátrica, 950 na emergência odontológica e 3,5 mil consultas no ambulatório.

 

Hospital Geral da Mirueira (Sanatório Padre Antônio Manuel)

Uma verdadeira micro-cidade foi fundada em 1941 para atender às recomendações do Serviço de Profilaxia da Lepra (hanseníase): era o Hospital Geral da Mirueira. Projetado com ruas, praças, templo religioso, prefeitura, escola, área de lazer, além dos complexos médicos necessários, o complexo tinha por objetivo minimizar o sofrimento dos pacientes. A unidade era símbolo do isolamento social dos acometidos pela doença em Pernambuco.

 

Páginas