O Grupo de Apoio às Mães de Prematuros (GAMP) continua desenvolvendo semanalmente suas ações no Hospital Dom Malan/IMIP de Petrolina. O projeto, que nasceu por iniciativa de uma equipe multidisciplinar liderada pela fisioterapeuta Juliana Benevides, está prestes a completar um mês.

Nesse tempo, o GAMP já realizou cinco encontros com os mais variados temas. Na última semana, por exemplo, o grupo abordou o desmame precoce, os malefícios do leite artificial e os riscos do uso dos bicos artificiais. Nesta quarta-feira (04), foi a vez dos profissionais discutirem diversidade e respeito.

Participam dos encontros as mães de bebês prematuros internados no hospital. “As mulheres da Casa de Apoio, Alojamento Canguru e Berçário Externo são todas convidadas. Entendemos que elas, até pelo tempo prolongado de confinamento, são as que mais precisam”, justifica Juliana.

Como explicou nesta manhã a psicóloga Jéssica Melo, a situação vivenciada pelas mães de prematuros é atípica, não faz parte do imaginário ideal da gestação e, por isso, as mulheres precisam ser acompanhadas mais de perto. “Sem dúvida, o GAMP nasce de uma proposta muito válida e em pouco tempo já demonstra bons resultados”, avalia otimista.

De acordo com a idealizadora, os temas são escolhidos de acordo com a demanda do próprio hospital. “Temos um cronograma montado, mas nada impede que a gente mude o roteiro de acordo com a necessidade. As atividades do GAMP são lúdicas, educativas e muito flexíveis”, esclarece.

As ações do grupo acontecem dias de quarta e sexta (alternadamente), durante o período de uma hora.  A programação da próxima semana já está montada e a equipe discutirá ‘Álcool e Drogas na Amamentação’. Também será abordado o tema: 'Convivendo com as Diversidades e Cuidando do Cuidador'.