A Secretaria Estadual de Saúde (SES), por meio da Diretoria Geral da Assistência à Saúde (Dgais), promoveu mais uma capacitação voltada para profissionais que atuam na Rede de Urgência e Emergência do Estado. Nesta quarta-feira (09.04), foram debatidos temas ligados ao atendimento do paciente cardiológico. A capacitação aconteceu na sede do órgão estadual, no bairro do Bongi, no Recife.
A atualização é voltada para profissionais de saúde que atuam nas emergências das UPAs e policlínicas 24 Horas, hospitais, Unidades de Terapia Intensivas (UTIs), Unidades Básicas de Saúde, Samu e Regulação Médica.  O evento foi transmitido, por meio de videoconferência, para as 12 Gerências Regionais de Saúde (Geres). 

O tema “Abordagem do paciente com infarto do miocardio com supra ST e terapia com trombólicos” foi ministrado pelo coordenador de Hemodinâmica do Hospital Agamenon Magalhães (HAM), Flávio Japyassu.  Em sua explanação, o coordenador destacou a importância do primeiro atendimento ao paciente, alinhado ao uso do Tenecteplase, medicamento mais utilizado para o tratamento do infarto agudo do miocárdio. “Queremos difundir entre os profissionais de saúde a importância de reconhecer o infarto agudo do miocárdio com elevação do segmento ST e fazer o uso do trombolítico da melhor forma e da forma mais precoce possível porque isso irá salvar vidas”, disse.  

“É importante destacar também que essa conduta de tratamento não é exclusiva de hospitais de grande porte e que as unidades de emergência 24h do Estado são capazes de administrar o trombolítico localmente para tratar os pacientes infartados. A diretriz brasileira contempla que todo paciente infartado que recebe o trombolítico deve, em até 24 horas, ser encaminhado para uma unidade de alta complexidade para realização do cateterismo para avaliar se o tratamento foi eficaz, e, se for o caso colocar um stent nesse vaso ou em outros vasos que tiver obstrução”, destacou Flávio Japyassu.  

Ainda na capacitação, o professor associado de Cardiologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Dinaldo Oliveira, abordou sobre o “Manejo Clínico do Paciente Pós Trombólise”.