Desde outubro, o Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), tem investido em podcasts, hospedados em hotsite temático, para reforçar com a população prevenção, sintomas, diagnóstico precoce e tratamento de determinadas doenças. No mês passado, o foco foi o câncer de mama, sendo disponibilizados 5 programas para tratar dos cuidados e encorajar as pacientes que estão enfrentando esse tipo de neoplasia. Já neste novembro, está sendo lançado um hotsite sobre a Saúde do Homem, trazendo a discussão sobre os cânceres de boca, próstata e pênis, além do autocuidado em geral. Ao todo, serão quatro episódios, que reúnem especialistas e depoimentos de pacientes, disponibilizados no saudedohomem.pe.gov.br. O primeiro já está no ar.

Os podcasts sobre saúde do homem levam em consideração o Novembro Azul, mês com foco na conscientização sobre o câncer de próstata, acrescentando as outras neoplasias que possuem um impacto importante nesse público. Além disso, o material busca discutir a integralidade da atenção à saúde do homem, do corpo à mental, temática que faz parte do primeiro podcast.

"Os homens incorporam a máxima do 'homem não chora' para além da prevenção. O homem mesmo sentindo-se adoecido ou com algum sintoma, ele não se diz doente. Sabe que está com algo ali, mas não se sente doente. Muitas vezes temos um diagnóstico retardado por causa disso", afirma o médico de família e comunidade Bruno Pessoa no primeiro episódio. Além dele, esse podcast traz o médico infectologista Bruno Ishigami e o psicólogo César Oliveira tratando sobre os desafios de quem percebe de perto a dificuldade masculina em aceitar cuidados.

Essa demora em buscar acompanhamento tem impacto não apenas nos casos de neoplasias, mas também de outras enfermidades que acometem esse público, como as doenças cardiovasculares. Por isso, a importância de manter uma rotina de acompanhamento da saúde nos serviços de Atenção Primária (Saúde da Família, Unidade Básica de Saúde), com o médico de família e comunidade ou com o clínico geral e, também, com o cirurgião dentista, para diagnóstico precoce dessas e de outras condições clínicas.

"Neste novembro azul, vamos todos, independente de sexo, incentivar nossos avós, pais, filhos, primos, amigos a buscar com maior frequência os serviços de saúde de forma a prevenir essas doenças e tratá-las oportunamente, quando for o caso", frisa o coordenador da Política de Oncologia da SES-PE, Rodrigo Bezerra.

Além do episódio "A Saúde do Homem", ainda serão lançados sobre "O Câncer de Próstata", em 23/11; "O Câncer de Boca", em 26/11; e "O Câncer de Pênis", em 30/11. Entre os profissionais participantes, os urologistas Felipe Dubourcq e Leônidas Nogueira, o psicólogo Paulo Borges e o oncologista Rafael Caires.

PRÓSTATA - De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2020, são esperados mais de 2,6 mil casos de câncer de próstata em Pernambuco. No Estado, essa neoplasia é a que mais causa mortes entre o público masculino, totalizando mais de 3,7 mil óbitos entre 2015 e 2019. Entre os sintomas sugestivos da doença: dificuldade de urinar ou demora em começar ou terminar o ato, o aparecimento de sangue na urina, diminuição no jato urinário e/ou a necessidade de urinar mais vezes ao dia. O Inca reforça que não há evidências científicas sobre o rastreamento (aplicação de exames em indivíduos saudáveis, sem sinais ou sintomas da doença, com o objetivo de detectar a enfermidade em fase pré-clínica) do câncer de próstata e recomenda o acompanhamento de rotina do homem em sua integralidade, além da busca de um médico ao aparecerem os sinais e sintomas sugestivos, para que seja avaliado o melhor método diagnóstico.

OUTRAS NEOPLASIAS - Neste ano, o Ministério da Saúde (MS) reforça a importância de abordar outros cânceres que podem acometer o público masculino, como o de pênis. Considerado raro, essa neoplasia provocou 11 óbitos masculinos entre 2015 e 2019. Segundo o Inca, ele é mais comum a partir dos 50 anos e, entre os fatores de risco, está a má higiene íntima e a infecção pelo HPV, o que reforça a importância do uso de preservativo nas relações sexuais, bem como da vacinação contra o HPV, em meninos de 11 a 14 anos de idade. Já o sinal mais comum dessa doença é o aparecimento de ferida ou úlcera persistente, além de secreção branca (esmegma).

Outro câncer destacado é o de boca, que tem como fatores de risco: infecção pelo HPV, tabagismo, consumo regular de bebida alcoólica e exposição ao sol. Entre os sintomas apresentados, lesões persistentes, rouquidão, nódulos no pescoço e, nos casos mais graves, dificuldade na fala, na mastigação, na deglutição e para movimentar a língua. Em Pernambuco, foram mais de 1,3 mil óbitos entre 2015 e 2019 de neoplasias no lábio, cavidade oral e faringe.