Monitorar em tempo real indicadores considerados prioritários e gerar alerta sempre que determinadas situações ocorram para que as ações de saúde pública possam ser efetivadas de imediato. Esse é o objetivo de um sistema de monitoramento que está sendo adaptado para o Estado pela Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec/CE), por meio de carta acordo com a Organização Pan Americana da Saúde (Opas/OMS). A ação faz parte de termo de cooperação técnica da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) com a Opas, que busca realizar iniciativas para melhoria da saúde materno-infantil, com foco na redução da mortalidade materna, e diminuir a incidência de casos de câncer do colo do útero, entre outros indicadores.

O médico e assessor da SES-PE Mozart Sales, responsável pela coordenação do termo de cooperação com a Opas, esteve reunido na manhã desta sexta-feira (27.12) na sede da SES-PE, no Bongi, com representantes da Fiotec, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), da Secretaria de Saúde do Recife (Sesau), da startup Avicena e de áreas técnicas da SES-PE para discutir o andamento dos ajustes que estão sendo realizados na ferramenta tecnológica desenvolvida pela Fiotec, para adaptação à realidade local, e cronograma de implantação, que começará pelo Recife e será expandida, inicialmente, para 30 municípios considerados prioritários. 

De acordo com o médico e pesquisador Odorico Monteiro, a solução extrai dados de diversas plataformas de saúde, como Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), para disponibilizar as informações em tempo real nesse novo sistema (sala de governança interfederativa), que irá gerar indicadores e, quando necessário, alertas para ações em tempo oportuno. Entre as informações coletadas estão dados sobre consultas de pré-natal, doses aplicadas das vacinas e exames para detecção do câncer do colo do útero. “Nosso objetivo é induzir e acompanhar processos com base em informações que vamos obter e consolidar com esse sistema”, reforça Monteiro.

No caso do câncer do colo do útero, Mozart Sales ressalta a importância da oferta de toda a linha de cuidado para a mulher com diagnóstico positivo. “Queremos criar uma perspectiva de acompanhamento e seguimento dinâmico no SUS daquela mulher com diagnóstico positivo do câncer, para saber como ela vem sendo acompanhada pelo município e os serviços de referência ou para resolver alguma situação necessária que possibilite o seu tratamento”, pontua Sales. 

COOPERAÇÃO TÉCNICA - O termo de cooperação, assinada em julho de 2019, propõe ações descentralizadas, intersetoriais e integradas de governança e estruturação do sistema; vigilância, controle, monitoramento e avaliação; promoção e prevenção; educação permanente e qualificação do trabalho no âmbito da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, com foco na melhoria da rede de atenção obstétrica e neonatal precoce, na agenda de saúde sexual e reprodutiva e na prevenção e controle do câncer do colo do útero, em consonância com as Diretrizes do Plano Estadual de Saúde.

A atuação da Opas/OMS conta com consultores internacionais e nacionais que estão apoiando os processos de transferência de experiências e conhecimentos e irão capacitar profissionais e gestores pernambucanos em todas as regiões do Estado. O projeto foi dividido em três módulos que ocorrem paralelamente: diagnóstico, intervenção e monitoramento. No momento, as equipes estão realizando o diagnóstico da rede de saúde obstétrica e da demanda e oferta da linha de cuidado da prevenção do câncer de colo de útero no Estado, para aumentar o impacto e a efetividade das intervenções.