Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), Pernambuco registrará, até o final de 2018, um total de 2.680 novos casos de câncer de mama, com uma taxa bruta de 54,37 casos a cada 100 mil mulheres. Ao longo deste mês, a Secretaria Estadual de Saúde (SES), por meio da Gerência de Atenção à Saúde da Mulher, incentivou os municípios pernambucanos e as 12 Gerências Regionais de Saúde (Geres) a realizarem ações diversas em referência ao Outubro Rosa, período de conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento adequado desse tipo de câncer. Fechando a programação, a SES realizou nesta segunda-feira (29/10), das 8h às 12h, no auditório da sede, no bairro do Bongi, o Seminário de Enfrentamento ao Câncer do Colo do Útero e Mama, com transmissão ao vivo do evento para todas as regiões de Pernambuco, por meio de videoconferência.
 
O encontro atualizou os profissionais de saúde da rede de assistência à mulher pernambucana sobre rastreamento de casos, diretrizes brasileiras para detecção precoce e linhas de cuidado para os referidos cânceres, que ocupam os dois primeiros lugares em prevalência nas mulheres em todas as regiões do País. "Essas temáticas devem ser tratadas em atualizações constantes, já que muitas normas do Ministério da Saúde passam por mudanças periódicas. É essencial que os profissionais estejam capacitados, principalmente no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS)", ressalta a gerente estadual de Atenção à Saúde da Mulher, Letícia Katz. A inscrição para o evento foi online.
 
No Brasil, a recomendação para detecção precoce do câncer de mama é a realização, a cada dois anos, da mamografia em mulheres entre 50 e 69 anos. Já para aquelas consideradas como pacientes com alto risco para a doença, recomenda-se realizar anualmente, além da mamografia, o exame clínico das mamas. Para mulheres a partir dos 40 anos, a orientação é a realização anual do exame clínico das mamas e, em caso de alteração no exame clínico, a paciente deve submeter-se à mamografia. "Os municípios devem identificar as mulheres que devem realizar os exames, principalmente das que têm maior probabilidade de desenvolver a doença. A nível de atenção primária, o recrutamento dessas pacientes é fundamental para a prevenção, diagnóstico precoce e tratamento da doença", pontua Katz.
 
Tais estratégias são essenciais na redução da morbimortalidade pelo câncer de mama e de colo do útero, garantido às mulheres o acesso, em tempo oportuno, aos exames diagnósticos e procedimentos para o tratamento, seguindo assim a recomendação do Ministério da Saúde sobre as implementações de conscientização acerca das doenças. 
 
MAMOGRAFIAS - Desde 2012, todas as 12 Regionais de Saúde (SES) contam com serviços de saúde que realizam exames de mamografia para os respectivos municípios que compõem a Geres. Nos últimos anos, a rede sob gestão estadual vem sendo ampliada, com a oferta dos exames nas Unidades Pernambucanas de Atenção Especializada (UPAE) de Limoeiro, Caruaru, Belo Jardim, Garanhuns, Arcoverde, Afogados da Ingazeira e Serra Talhada. Nas UPAEs, as pacientes são encaminhadas diretamente para a realização do exame na própria unidade quando o médico faz a indicação. Só em 2017, as UPAEs realizaram cerca de 3,5 mil mamografias. Além disso, a SES contratualiza mamografia em nove serviços espalhados por todo o Estado, todos com a marcação realizada pela Regulação Ambulatorial do Estado após a solicitação do município de origem da paciente. Esses nove serviços, em 2017, receberam apenas 27% da sua capacidade instalada - 43,7 mil exames ofertados e 11,8 mil executados. 
 
É importante destacar, ainda, que as mamografias devem ser ofertadas, prioritariamente, pelos municípios, que também precisam monitorar suas munícipes, ofertar a mamografia e, quando não tiver o serviço, encaminhar para marcação via Regulação Ambulatorial do Estado. De acordo com os dados do Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIS/SUS), em 2017 Pernambuco realizou 205.474 mamografias, entre os serviços próprios, contratualizados e os geridos pelos municípios. Já em 2018, de janeiro a agosto, foram 114.918 mamografias realizadas.
 
COLO DO ÚTERO - Tumor maligno que acomete a parte inferior do útero, o câncer de colo do útero deve atingir, segundo estimativas do Inca, cerca de 1.030 mulheres com uma taxa bruta de 20,84 casos a cada 100 mil mulheres. Em geral, o risco do câncer do colo do útero é a partir dos 30 anos, aumentando entre os 50 e 60 anos. Diagnosticado precocemente, principalmente pelo exame citopatológico (Papanicolau), são altas as chances de cura podendo chegar a 100% nos casos iniciais e nas lesões precursoras. Além disso, há a vacina contra o HPV (papiloma vírus humano), principal causador da doença. A vacina contra a doença está disponível na rede pública para meninas entre 09 e 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.
 
Dentro da programação do Outubro Rosa, e também em referência ao Dia Estadual de Combate ao Câncer de Colo do Útero (27 de outubro), a SES disponibilizou, ao longo do mês, através do Laboratório da Mulher Dra. Mercês Pontes Cunha, coleta do exame citopatológico para mulheres de 25 a 64 anos (prioritariamente) nos municípios que estão com demanda reprimida.O serviço está disponível para todas as servidoras estaduais. O laboratório também disponibilizou o seguimento das mulheres com resultados positivos através da colposcopia e biópsia do colo uterino. Ainda entre as atividades de conscientização, a SES avaliou os protocolos dos laboratórios que realizam o exame citopatológico do colo do útero em Pernambuco.