Unidades de saúde referência no Estado estão realizando, ao longo desta semana, diversas ações para marcar o Dia Mundial de Higienização das Mãos (05.05) e Dia de Combate à Infecção Hospitalar (15.05). As datas têm como objetivo conscientizar, prevenir e reduzir o número de casos desse tipo de infeção, tendo como foco a higienização correta das mãos. 

No Hospital Miguel Arraes (HMA), em Paulista, no Grande Recife, a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Miguel Arraes (CCIH) deu início, nesta quarta (15), a uma ação de prevenção à infecção nas Unidades de Terapia Intensiva do hospital. Enfermeiros e técnicos de enfermagem passaram por treinamento visando o preenchimento de um check list com três pacotes de medidas para garantir a segurança do paciente, dentre elas a prevenção do trato urinário e da infecção primária de corrente sanguínea relacionada ao cateter venoso central.

A CCIH da unidade também está monitorando a higienização das mãos dos profissionais de saúde dentro das UTIs, antes e depois de cada procedimento com o paciente. Segundo Sandra Assis, gerente da CCIH, a atividade enfatiza a capacitação que os funcionários do HMA vêm recebendo sobre segurança do paciente: "Atualmente, temos suportes de álcool gel a cada dois leitos de UTI. Nossa ideia é colocar suportes em cada leito, para reforçar a aplicação das normas de segurança e das regras de prevenção da infecção”, pontua.

Já em Petrolina, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e Unidade Pernambucana de Atenção Especializada (UPAE), assim como o Hospital Dom Malan (HDM), também abraçaram a causa. Na UPAE, por exemplo, as atividades acontecem nesta quarta e quinta. “Estamos visitando os setores e conversando com os profissionais sobre os 12 passos para a higienização eficaz das mãos, as formas de contaminação, riscos biológicos e contaminação cruzada, visando a segurança do paciente e do profissional”, esclarece a enfermeira do Núcleo de Educação Permanente, Andreska Ferreira, que conta com o apoio da segurança do trabalho para estas ações.

Já no HDM, a equipe da CCIH está utilizando jogos educativos de perguntas e respostas. As meninas também contam com a presença da Dra. Bactéria (personagem). “Foi a forma que nós encontramos de tornar o assunto leve e divertido. Quem acerta mais ganha até um brinde, que é um mini álcool em gel”, ressalta Layanna.

A meta é alcançar todos os setores dos dois serviços. “Todos devem estar cientes dessas medidas de segurança, do porteiro ao auxiliar administrativo, até a equipe de saúde, pois sem isso o profissional pode estar, inclusive, levando doença para sua casa e seus familiares”, destaca Andreska.

Tanto trabalho tem gerado bons resultados. “Apesar de toda a nossa demanda e dificuldades típicas de um serviço público de saúde, temos conseguido manter um controle satisfatório das infecções. E isso nós relacionamos muito a esse trabalho contínuo de educação em saúde”, considera Layanna.

As Infecções relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), principalmente as adquiridas no ambiente hospitalar, estão entre as principais causas de morbidade e de mortalidade e, consequentemente, da elevação de custo para o tratamento do paciente. A conscientização da prevenção à infecção ajuda na sua redução e, consequentemente, a salvar vidas. São 7 os passos para a prevenção da infecção: higienização das mãos, vigilância epidemiológica, uso racional de antimicrobianos, limpeza do ambiente, uso das precauções de contato (uso de luvas e aventais no contato com o paciente), educação contínua dos profissionais e rastreio e isolamento de casos (para controle de surtos).