A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes da Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (Cipa/UPAE) está realizando uma campanha de conscientização sobre o Outubro Rosa. A ação consiste na entrega de laços rosa pelos setores, fotos para rede social de apoio à iniciativa e uma conversa in loco sobre a importância da prevenção e autoexame. “O nosso objetivo é alcançar 100% do nosso público e sensibilizar. Acredito que temos conseguido fazer isso bem até aqui”, ressalta o assistente administrativo e membro da Cipa, Evanilson Oliveira.

A campanha do Outubro Rosa visa compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento, contribuindo assim  para a redução da mortalidade. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas, entidades, instituições e governo.

O movimento internacional para o controle do câncer de mama foi criado no início da década de 1990, pela Fundação Susan G. Komen for the Cure. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) participa do movimento desde 2010 e a UPAE Petrolina desde 2013, quando foi fundada. “Nos orgulhamos em dizer que também realizamos um trabalho educativo em saúde. Ou seja, não somos só assistência. Buscamos atuar também na prevenção e conscientização, tanto do nosso público interno quanto externo”, acrescenta a coordenadora geral, Grazziela Franklin.

Esse tipo de tumor é o que mais acomete a população feminina brasileira e representa cerca de 24,5% de todos os tipos de neoplasias diagnosticadas. Também é o câncer que mais mata. No Brasil, em 2020, cerca de oito mil casos de câncer de mama tiveram relação direta com fatores comportamentais, como consumo de bebidas alcoólicas, excesso de peso, não ter amamentado e inatividade física.

Por outro lado, hábitos saudáveis podem reduzir a incidência do câncer de mama em até 13% e poupar mais de R$ 100 milhões do SUS. Os dados foram divulgados por uma pesquisa elaborada pela Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) do Inca.