A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) recebeu, na tarde desta sexta-feira (06/08), mais uma rodada de sequenciamentos genéticos de amostras biológicas de pacientes que tiveram a Covid-19. De acordo com o trabalho feito pelo Instituto Aggeu Magalhães (IAM - Fiocruz-PE), das 176 amostras estudadas, 174 (98,8%) tinham a presença da variante Gama (P.1), ratificando mais uma vez a sua prevalência em território pernambucano. As coletas são de pacientes de 62 municípios e foram realizadas entre os meses de maio e julho deste ano. 

As outras duas amostras eram de tripulantes filipinos do navio cargueiro Shoveler, de bandeira do Chipre, que já não está mais no Estado. Em ambas foram detectadas a variante Delta. Uma delas foi do paciente de 50 anos que veio a óbito no dia 18/07. A outra foi de um tripulante de 22 anos que permaneceu na embarcação e evoluiu para cura. Com isso, o Estado totaliza cinco casos importados da variante Delta, todas relacionadas aos tripulantes dessa embarcação. 

"Com esses novos sequenciamentos, chegamos a quase 1 mil amostras analisadas tanto no Aggeu Magalhães quanto no Lika. Desde o início, a variante Gama vem se mostrando a mais presente, confirmando a sua predominante circulação. Também é importante reforçar que todos os casos da variante Delta são importados, relacionados a tripulantes filipinos de um único navio cargueiro. Até o momento, não identificamos nenhuma infecção ocorrida em paciente pernambucano. Vamos manter a periodicidade das análises junto ao Aggeu Magalhães, nessa importante parceria para monitoramento das variantes em circulação em Pernambuco, essencial para a tomada de decisões no enfrentamento à pandemia”, afirma o secretário Estadual de Saúde, André Longo.

Apesar de não ter encontrado caso de Delta de ocorrência no Estado, o secretário mantém o alerta para os cuidados. "Outros Estados brasileiros já confirmaram casos da variante Delta, conhecida por ter um maior poder de contágio. Por isso precisamos intensificar a vacinação daqueles que já estão sendo contemplados pelos municípios, a busca pela segunda dose por aqueles que já estão no tempo preconizado para finalizar o esquema vacinal e também a manutenção de todas as medidas não farmacológicas, como o uso constante e correto da máscara e a higienização das mãos. Quem não segue estas recomendações pode ter um maior risco de adoecimento, complicação e até mesmo morte, independente da variante do novo coronavírus", frisa. 

As amostras analisadas são de pacientes de todas as regiões pernambucanas, das cidades de: Afrânio, Águas Belas, Aliança, Altinho, Amaraji, Araçoiaba, Araripina, Arcoverde, Belo Jardim, Betânia, Bom Conselho, Cachoeirinha, Camaragibe, Camocim de São Félix, Canhotinho, Carpina, Caruaru, Condado, Cupira, Custódia, Exu, Feira Nova, Flores, Garanhuns, Gravatá, Ibimirim, Igarassu, Ipojuca, Itaíba, Itambé, Itapetim, Itaquitinga, Jaboatão dos Guararapes, Jataúba, Lagoa do Carro, Limoeiro, Moreilândia, Moreno, Olinda, Palmares, Paulista, Pesqueira, Petrolina, Recife, Riacho das Almas, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria da Boa Vista, São Bento do Una, São Joaquim do Monte, São José do Belmonte, São José do Egito, São Lourenço da Mata, São Vicente Férrer, Serra Talhada, Sertânia, Tabira, Tacaimbó, Taquaritinga do Norte, Timbaúba, Tuparetama e Vitória de Santo Antão.

Foto: Miva Filho / SES-PE