Já está funcionando no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), ligado à Universidade de Pernambuco (UPE), o atendimento ao público que fará uso da Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP), mais uma estratégia de prevenção contra o vírus HIV. A ação inovadora é uma parceria do Huoc com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), por meio do Programa Estadual de IST/Aids, e o Ministério da Saúde (MS), que fornece a medicação para a profilaxia.
 
Serão 22 pacientes atendidos mensalmente, sendo 2 por turno. Os pacientes devem receber o primeiro atendimento e voltar com um mês para reavaliação. Depois disso, a cada três meses para uma nova avaliação. De acordo com o Ministério da Saúde, a profilaxia deve ser voltada para populações mais vulneráveis (trabalhadores do sexo, pessoas trans, gays e outros homens que fazem sexo com homens e casais sorodiscordantes). 
 
De acordo com a médica infectologista do serviço de infectologia do Huoc, Polyana Monteiro, existem várias intervenções eficazes na prevenção do HIV, como uso de preservativo e gel lubrificante, redução de danos para usuários de drogas injetáveis e uso de antirretrovirais após exposição de risco. No entanto, novas infecções pelo HIV continuam a ocorrer. 
 
“A PrEP é mais uma opção para prevenir novas infecções. A medicação consiste no uso diário de antirretrovirais por pessoas não infectadas pelo HIV, mas que sejam mais vulneráveis e tenham práticas sexuais de risco acrescido. A PrEP é uma ferramenta que deve ser utilizada de forma combinada, sem excluir ou substituir as opções existentes.  Essa possibilidade reconhece que a pessoa pode e deve escolher os métodos que melhor se adéquem às condições e circunstâncias de sua vida, respeitando a autonomia do indivíduo”, explica a médica. 
 
“A Proflaxia Pré-Exposição ao HIV é mais uma estratégia para que possamos trabalhar a prevenção às infecções sexualmente transmissíveis. Ela deve ser combinada com o uso do preservativo, que evitará outras infecções, como sífilis e gonorreia. Mensalmente, todos os municípios são abastecidos de preservativos masculinos e femininos, além de gel lubrificante, que são disponibilizados à população. Esses insumos devem ser pegos pelo usuário na quantidade que ele precisar”, afirma a gerente do Programa Estadual de IST/Aids da Secretaria Estadual de Saúde, Camila Dantas.
 
A gerente ainda reforça que, além disso, “precisamos reforçar sempre a importância não só da prevenção, mas também ao diagnóstico precoce. Nos casos de HIV, sífilis e algumas hepatites virais, testes rápidos podem confirmar ou descartar um caso. Nos casos positivos, os usuários já são encaminhados para o tratamento da rede de referência".
 
A marcação da consulta do PrEP é feita presencialmente no ambulatório de infectologia do Oswaldo Cruz de segunda a quinta-feira. Já a distribuição da medicação, gratuita e disponibilizada pelo Ministério da Saúde, será realizada na farmácia ambulatorial do hospital, de segunda a sexta, das 8h às 16h, apenas para os pacientes em acompanhamento. Mais informações: (81) 3184.1344
 
PrEP HIV – A PrEP é a combinação de dois medicamentos (tenofovir + entricitabina) que bloqueiam alguns “caminhos” que o HIV usa para infectar seu organismo. Para que a medicação possa impedir que o HIV se estabeleça e se espalhe pelo corpo é preciso tomar a PrEP diariamente. O efeito da medicação funciona da seguinte forma: após 7 dias de uso para relação anal e 20 dias de uso para relação vaginal. A PrEP não é para todos. Ela é indicada para pessoas que tenham maior chance de entrar em contato com o HIV. Deve-se considerar o uso da PrEP:  Gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH);  Pessoas trans; Trabalhadores(as) do sexo. Além disso, a população que: frequentemente deixa de usar camisinha em suas relações sexuais (anais ou vaginais); tem relações sexuais, sem camisinha, com alguém que seja HIV positivo e que não esteja em tratamento; faz uso repetido de PEP (Profilaxia Pós-Exposição ao HIV); apresenta episódios frequentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis.
 
DADOS DE AIDS - Em Pernambuco, desde o início das notificações, no ano de 1983, até 24.10.2017, foram registrados 25.218 casos de Aids, sendo 16.344 no público masculino e 8.874 no feminino. Em 2016 foram 1.104 (738 masculinos e 366 femininos) e em 2017*, 396 (259 masculinos e 137 femininos) - dados sujeitos a alteração. Em relação à faixa etária, a maior parte dos casos ocorre na população entre 30 e 39 anos (9.280 casos – 36,7%), seguida do público entre 20 e 29 anos (6.565 casos – 26%).
 
Nos casos acima de 13 anos (24.599 pessoas), quando analisada a categoria de exposição, a maior parte dos casos envolve a transmissão via sexual, de acordo com a declaração do paciente. No público masculino, são 4.944 casos em relações sexuais entre heterossexuais (30,82%) e 3.945 em relações homossexuais (24,60%). Ainda há 4.792 (29,88%) casos ignorados, ou seja, que não foi possível identificar o tipo de exposição. No público feminino, são 7.253 casos entre heterossexuais (84,73%) e 1.078 ignorados (12,59%).
 
Serviço: PrEP
Horário: segunda, 07 às 11h, quarta, quinta e sexta, 12h às 16h
Local: Ambulatório de Infectologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz
Rua Arnóbio Marques, 310, Santo Amaro, Recife
Mais informações: 81. 3184.1344