Começa, a partir desta segunda-feira (11.05), a terceira etapa da campanha de vacinação contra a influenza, que foi dividida em dois grupos. Até o dia 17.05, os postos de saúde e estarão recebendo crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com deficiência, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto), totalizando 1.282.800 beneficiados. Já a partir de 18.05, até 05.06, quando termina a campanha, entram ainda adultos entre 55 e 59 anos e professores das redes pública e privada, somando mais 462.843.

Ao todo, Pernambuco tem uma população a vacinar de cerca de 3,5 milhões de pessoas. Até o momento, 1.577.699 já estão protegidas contra as influenzas A(H1N1), A (H3N2) e B. Mais de 3,8 milhões de doses foram encaminhadas pelo Ministério da Saúde (MS) para as atividades.  “Desde o início da campanha, estamos destacando que a vacina da influenza não protege contra o novo coronavírus. Contudo, é de suma importância que os grupos prioritários sejam vacinados para evitar o adoecimento por esse vírus que causam quadros semelhantes à Covid-19 e também podem gerar internações. A imunização pode evitar uma sobrecarga ainda maior nos nossos serviços de saúde, além de óbitos”, reforça o secretário estadual de Saúde, André Longo.

Já a superintendente de Imunizações da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), Ana Catarina de Melo, atenta para a importância dos municípios criarem estratégias para chegar até a população. “Estamos reforçando permanentemente com os gestores municipais a necessidade de seguir as orientações de higiene e segurança nos postos de saúde, evitando aglomerações. Cada cidade também precisa criar planos para a vacinação extramuros, levando a vacina para regiões de difícil acesso para ampliar a acessibilidade. Todos, do Sertão ao Litoral, precisam estar envolvidos para fazer uma campanha de sucesso e com segurança para nossa proteger a nossa população”, destaca Ana Catarina. Ela ainda pede o auxílio da população para seguir todas as recomendações das autoridades sanitárias neste momento de pandemia, indo se vacinar de máscara, mantendo a etiqueta respiratória e fazendo a higienização periódica das mãos.

Quem está incluso em outros grupos prioritários e ainda não foi vacinado também deve procurar os postos de saúde. Podem ser imunizados contra a influenza: idosos (60 anos ou mais), profissionais de saúde, povos indígenas, pessoas com comorbidades, privados de liberdade e funcionários do sistema prisional, caminhoneiros, profissionais de transporte coletivo (motorista e cobradores) e trabalhadores portuários; e força de segurança e salvamento (bombeiros, policiais civis e militares, Exército, Marinha e Aeronáutica).

Destaca-se, ainda, a necessidade de levar a caderneta de vacinação para que a dose contra a influenza seja realizada. Os profissionais de saúde ainda devem analisar o documento e, caso haja alguma vacina em atraso, aproveitar para fazê-la.

Além disso, é preciso apresentar documentação que comprove a inclusão nos grupos prioritários. Pessoas com comorbidades ou condições clínicas especiais, por exemplo, devem apresentar prescrição médica. Puérperas devem apresentar comprovação do parto, como certidão de nascimento. Portuários, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo devem apresentar documento comprobatório, como carteira de trabalho, contracheque com documento de identidade, carteira de sócio dos sindicatos de transportes ou carteira de habilitação (categorias C ou E). Força de segurança e professores também devem mostrar documentação/contracheque.

No caso de pessoa com deficiência, o Ministério da Saúde sugere apresentar laudos ou declarações médicas, comprovação do Benefício de Prestação Continuada (BPC) ou documento de aposentadoria.

A SES-PE ainda lembra que está em curso a vacinação indiscriminada contra o sarampo para o público entre 20 e 49 anos. Isso significa que, independente da situação vacinal, essa população deve receber uma dose da tríplice viral, que ainda protege contra caxumba e rubéola.

Foto: Miva Filho/SES-PE