O Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE) recebeu a Medalha Mérito Santos-Dumont, concedida pela Força Aérea Brasileira (FAB) a personalidades civis e militares pelos serviços desenvolvidos em prol da sociedade. A cerimônia de entrega da honraria aconteceu na manhã desta terça-feira (20/07), no Segundo Comando Aéreo Regional (II COMAR), no Recife. A honraria foi recebida pela diretora do Laboratório, Roselene Hans, a única representante não militar agraciada. As entregas da Medalha Mérito Santos-Dumont acontecem, todos os anos, em 20 de julho, que é o dia do aniversário de Alberto Santos-Dumont, Pai da Aviação e Patrono da Aeronáutica Brasileira.

A escolha do Lacen se deu pelo trabalho desempenhado nas ações durante a pandemia do novo coronavírus em Pernambuco. O Lacen-PE, desde o início, realiza o processamento das amostras biológicas para o exame RT-PCR, considerado padrão-ouro na identificação da Covid-19. Até esta terça, foram processados 612.009 exames desse tipo, dos mais de 1 milhão realizados no Estado, que conta ainda com laboratórios parceiros e conveniados, além da rede privada. O Lacen-PE possui capacidade de processamento de 21 mil exames semanais.

“O recebimento dessa honraria reconhece a credibilidade e qualidade do trabalho desempenhado pelo Lacen de Pernambuco como instituição referência no diagnóstico laboratorial de doenças transmissíveis, e, acima de tudo, no enfrentamento de surtos, epidemias e pandemias, como no caso do novo coronavírus. Desde o começo da pandemia, os profissionais do Laboratório têm desempenhados suas funções diuturnamente na detecção de casos da Covid-19 e de que maneira essas detecções têm se apresentado em cada região do Estado”, destacou a diretora Roselene Hans.

Para reforçar o trabalho durante a pandemia, diversas ações de melhoria foram realizadas no Lacen, com a contratação de pessoal e qualificação do espaço. Em agosto de 2020, o Laboratório Central ganhou um novo parque tecnológico, com equipamentos de última geração que automatizaram processos e possibilitaram ampliar a produção diária em até quatro vezes. Para isso, foram investidos, por meio da Fundação de Amparo a Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe), R$ 6 milhões nos equipamentos, além da compra de testes RT-PCR e reforço no quadro de profissionais.