Desde fevereiro de 2017, o Estado de Pernambuco, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES), está em constante monitoramento visando à prevenção e a detecção precoce da circulação do vírus da febre amarela. Para debater o tema e intensifica a vigilância da doença, a SES reuniu representantes do Comitê de Mobilização Social de Controle e Prevenção às Arboviroses, para o primeiro encontro de 2018, nesta segunda-feira (16.04), na sede do órgão.

Pernambuco, por não apresentar a circulação do vírus da febre amarela, é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS) como de baixo risco de transmissão. O monitoramento do adoecimento ou morte de primatas não-humanos é a principal forma de vigilância da doença, conforme os protocolos da OMS e do MS. A morte desses primatas são os principais sinalizadores da circulação local do vírus e, consequentemente, da possibilidade de casos em humanos.

Durante o evento, a gerente de Controle das Arboviroses da SES, Claudenice Pontes, explanou sobre a situação epidemiológica das arboviroses no Estado. A professora da UFRPE, Maria Adélia Borstelmamm, contextualizou os integrantes do Comitê sobre a distribuição dos primatas. O pesquisador da Fiocruz, Marcelo Henrique Paiva, apresentou os resultados sobre diagnóstico viral em culicideos. Sobre a prevenção, a coordenadora do Programa Estadual de Imunização da SES, Ana Catarina de Melo, detalhou os casos de indicação para vacina.

Até o momento, a vacina continua sendo indicada apenas para aqueles que viajarão para as Áreas Com Recomendação de Vacina (ACRV). O Estado de Pernambuco está em contato permanente com os municípios para fazer o abastecimento contínuo das secretarias de Saúde. Ressalta-se que, antes de se vacinar, o viajante deve estar atento às contra-indicações e grupos de risco, informando seu histórico médico aos serviços.