Na manhã desta quinta-feira (18/11), o secretário estadual de Saúde, André Longo, apresentou aos membros da Comissão de Saúde e Assistência Social, da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o relatório de ações e investimentos em saúde referente ao segundo quadrimestre de 2021 (maio-agosto). Durante o encontro virtual, o gestor estadual destacou o compromisso do Governo do Estado com a assistência de qualidade para população e o enfrentamento aos desafios surgidos durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Em sua explanação, Longo destacou o aporte da gestão estadual na área e reforçou que Pernambuco é o Estado que mais investe em saúde no Nordeste. “Quando consideramos o percentual de recursos próprios aplicados em ações de saúde e serviços públicos entre os Estados do Nordeste, Pernambuco se destaca como o maior investidor, com 16,45% de recursos aplicados, bem a mais do que o mínimo constitucional, que é de 12%”, afirmou. Em relação à composição do Fundo Estadual de Saúde neste segundo quadrimestre, o Estado de Pernambuco também é garantidor da maior parcela de recursos, sendo responsável por 68,1% do montante, mais que o dobro do investido pelo do Governo Federal (31,9%).

O gestor também reforçou o trabalho realizado na expansão da rede hospitalar para garantir o atendimento à população acometida pela Covid-19. “Pernambuco procurou fazer o seu dever de casa e garantir o acesso da população ao atendimento e equipes especializadas. Em Pernambuco, buscamos seguir a ciência e conseguimos estabelecer uma resposta à altura do desafio imposto pela pandemia, o que salvou vidas. Fizemos o maior aporte de investimento, de recursos humanos e de tecnologias e com uma marca importante, a interiorização da assistência, levando atendimento onde estava a população. Para o interior, conseguimos alcançar a marca de 520 leitos de terapia intensiva para o acompanhamento dos casos mais graves", frisou André Longo.

Longo reforçou que a rede de assistência continua ativa para os atendimentos e que a vacinação está avançando. Contudo, lembrou que ainda é preciso seguir com o cuidado e trabalhando para combater a Covid-19. “A pandemia não acabou. Já encontramos sinais de recrudescimento em países da Europa e isso pode ser refletir no Brasil. Estamos lidando com uma doença muito traiçoeira e precisamos olhar os outros cenários em várias partes do mundo. Em Pernambuco, temos contado com o apoio irrestrito do governador Paulo Câmara para passar por toda a adversidade provocada pela pandemia. Uma prova desse apoio pode ser visto na segunda onda de casos, quando conseguimos reduzir os impactos com a abertura de mais de 1 mil leitos”.

A vacinação contra a Covid-19 foi outro ponto de destaque no relatório apresentado à Comissão de Saúde e Assistência Social. Até o final de agosto, o Estado já tinha aplicado mais de 8 milhões de doses de vacinas na população pernambucana. “Precisamos de grande mobilização social com foco especial na segunda dose. Neste mês de novembro, o Ministério da Saúde lançou uma campanha voltada para população que precisa completar seus esquemas vacinais. Temos que chegar aos meses de fevereiro e março, que historicamente é nosso período de maior ocorrência de doenças respiratórias, com 90% da população com esquema completo (duas doses) e com a população mais suscetível, aquela maior de 55 anos, com a dose de reforço”.

Sobre os desafios que estão sendo enfrentados nesse período, o secretário lembra do impacto na realização de cirurgias eletivas, aquelas não urgentes, que precisaram ser suspensas durante diversos meses para priorizar os atendimentos urgentes relacionados à Covid-19. “Nessa área, a pandemia foi severa com nossos indicadores de assistência. A redução no número de cirurgias, principalmente as eletivas, foi um dos maiores impactos da pandemia e estamos desenvolvendo ações para absorver esta demanda reprimida em nossos serviços. Nas últimas semanas, anunciamos o início do Programa Opera Mais, que visa, até dezembro de 2022, ampliar o número de procedimentos realizados em 50 mil. Como parte dessa mobilização, abrimos ainda o credenciamento para participação dos serviços privados e filantrópicos para ajudar a preencher os vazios assistenciais identificados desde o início da pandemia”, salientou.

No período que compreende ao segundo quadrimestre do ano, Pernambuco realizou 36.813 cirurgias em unidades da rede estadual, representando 80,6% da produção, e outras 8.869 capitaneadas pelos serviços municipais. 

INVESTIMENTOS - Ações desenvolvidas no interior para qualificar a assistência dos pernambucanos também foram apresentadas na reunião virtual. Entre os destaques, a implantação do serviço de hemodinâmica 24h no Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, e de hemodiálise no Inácio de Sá, localizado em Salgueiro, Sertão do Estado. O aporte assistencial chegou ainda ao município de Garanhuns, que ganhou uma unidade especializada em oftalmologia, beneficiando mais de 100 cidades do Agreste e do Sertão, além do incremento de 20 leitos de terapia intensiva adulto no Hospital e Maternidade Santa Maria, em Araripina. Esses leitos, que eram voltados para o tratamento de pacientes com a Covid-19, foram reconvertidos para UTI geral.