Durante os cinco dias de Carnaval, os hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ligados à rede estadual de saúde, referências no atendimento à população, realizaram um total de 40.649 atendimentos. Esse número reúne os casos que deram entrada das 19h da sexta-feira (1º/03) até as 19h da Quarta-feira de Cinzas (06/03) e representa um aumento de apenas 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foi registrado um total de 38.042 atendimentos.

“O número de atendimentos se manteve dentro do esperado, muito próximo do que foi observado nos últimos dois anos. Por isso, nossa avaliação é que o planejamento funcionou com êxito e a rede funcionou de forma ordenada, com equilíbrio na demanda entre as unidades e, o mais importante, garantindo o atendimento à população que necessitou do acolhimento”, comenta o secretário estadual de Saúde, André Longo.

Principal porta de entrada para a rede estadual de saúde, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) lideraram o número de atendimentos no período de festas carnavalescas. As 15 UPAs estaduais, incluindo duas no Interior (Caruaru e Petrolina), foram responsáveis por 24.637 atendimentos, ou seja, mais de 60% do total da rede. A maioria dos casos foi de menor gravidade e apenas 3,8% dos pacientes das UPAs precisaram ser removidos para um serviço de maior complexidade. Em 2018, as UPAs registraram 22.462 atendimentos.

Os 12 hospitais da Região Metropolitana do Recife (RMR) atenderam um total de 6.223 atendimentos (6.213 no ano passado). Já no Interior do Estado, as unidades estaduais contabilizaram 9.696 atendimentos, enquanto, em 2018, esse número chegou a 9.367.

MONITORAMENTO – Para averiguar as principais ocorrências de saúde durante o Carnaval, a Secretaria Estadual de Saúde ampliou, neste ano, o monitoramento em tempo real em serviços de saúde estratégicos em todo o Estado. Até o ano passado, esse acompanhamento era realizado apenas no Sábado, durante o desfile do Galo da Madrugada. 

De acordo com as informações coletadas nas unidades e repassadas em tempo realà sala de situação instalada na sede da SES, as principais ocorrências durante este carnaval foram, principalmente, relacionadas a dores (27%), cefaleia (10,8%), náusea e vômito (8%) e queda (5,8%).Quanto à resolutividade dos atendimentos 80% foram deliberados no local de atendimento e 10% necessitaram de transferência ou internação.

Graças a este trabalho, que permitiu precisão e rapidez na notificação, compilação e alerta dos dados de circulação de doenças e agravos no período, a Secretaria Estadual de Saúde identificou a entrada de pessoas no Hospital Correia Picanço relatando terem sido furadas por seringas durante a festa. A celeridade na identificação trouxe a rapidez na resposta, com a garantia do primeiro atendimento e tratamento especializado para os casos que precisaram.

TESTAGEM RÁPIDA  Mais de 160 foliões realizaram o teste rápido de HIV e Sífilis no domingo (03.03) e segunda (04.03) de Carnaval em Bezerros, no Agreste do Estado, e em Nazaré da Mata, Zona da Mata Norte. No domingo, os técnicos do Programa Estadual de IST/Aids/HV da Secretaria Estadual de Saúde (SES) atenderam 98 pessoas na Praça da Bandeira, em Bezerros, durante o desfile dos Papangus. Dos testes realizados, 7 deram positivo para sífilis. Já na segunda-feira, durante o tradicional encontro de maracatus de Nazaré da Mata, o ônibus do projeto Prevenção para Tod@s estacionou na Praça do Frevo do município. Ao todo, 69 foliões realizaram a testagem, com 5 testes positivos para sífilis.

Nos dois dias de ação, a equipe ainda distribuiu 6.912 preservativos para os foliões aproveitarem o Carnaval prevenidos. Sachês de gel lubrificante também foram disponibilizados para as pessoas que participaram da ação. Ao todo, durante o carnaval e entre os meses de janeiro e fevereiro, mais de 4,5 milhões de camisinhas e 268 mil géis lubrificantes foram distribuídos no Estado.

O objetivo da mobilização foi proporcionar o diagnóstico precoce do HIV e/ou sífilis e, com isso, ofertar o tratamento em tempo oportuno. O atendimento da testagem é sigiloso e feito por uma equipe multiprofissional, que também faz aconselhamento sobre comportamento para uma vida sexual saudável. O teste dura, em média, 30 minutos e em casos positivos, o paciente já sai com encaminhamento para fazer o tratamento em uma unidade de referência.

WILMA LESSA – Entre o sábado (02/03) e a quarta-feira (06/03), o Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa, localizado no Hospital Agamenon Magalhães, no Recife, atendeu quatro pacientes vítimas de violência – situação considerada dentro da normalidade pela equipe da unidade. Foi um caso de agressão física e três de violência sexual. Todas receberam acompanhamento especializado, com o apoio de equipe multiprofissional do serviço. As ocorrências foram no Recife (2), Sanharó e Camaragibe.

OPERAÇÃO LEI SECA – Durante o período do Carnaval, a Operação Lei Seca em Pernambuco registrou 62 infrações por alcoolemia, sendo 18 constatações do uso de álcool, 43 recusas ao teste do bafômetro e um crime. No total, 6.584 condutores foram abordados e 406 motoristas foram multados por algum tipo de irregularidade, além de 38 veículos rebocados. Também houve a apreensão de 83 carteiras de habilitação. Ao todo, 66 pontos de fiscalização foram montados nas principais vias que dão acesso aos polos de festa na RMR e Interior, além das praias do Litoral Norte e Sul.

OUVIDORIA – A Ouvidoria da Secretaria Estadual de Saúde (0800.286.28.28) registrou 223 atendimentos durante o Carnaval 2019. As principais demandas foram relacionadas a duvidas sobre o funcionamento e telefones de serviços de saúde. O que chama a atenção negativamente no relatório produzido pelo serviço de Ouvidoria da SES é o número de trotes, que representou 11,6% do total de telefonemas. É importante lembrar que este tipo de ligação é um crime contra o patrimônio público e pode resultar em detenção ou multa para o infrator, de acordo com o Código Penal brasileiro. Além disso, os infratores precisam ficar cientes que estão prejudicando um serviço de utilidade pública que precisa de agilidade para atender à população.