Pernambuco é o quinto Estado do país com o maior percentual de pessoas a partir dos 18 anos protegidas com a dose de reforço da vacina contra a Covid-19, totalizando 23% da população adulta. A informação é da análise epidemiológica da Covid-19 no Brasil realizada pelo Centro de Operações de Emergência da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS) e divulgada nesta semana.

"Temos ressaltado com a população a necessidade de, além de fazer o esquema vacinal básico contra a Covid-19, também ir em busca da dose de reforço. Toda a população a partir dos 18 anos já tem o direito e os municípios estão abastecidos das doses para beneficiar esse público", destaca o secretário André Longo. O gestor lembra que a dose de reforço é feita após 4 meses da segunda dose - ou 4 meses após a terceira dose, no caso dos imunossuprimidos graves. "Com o tempo, há uma queda no nível de anticorpos no organismo, por isso a importância desse reforço. Atualmente, mais de 90% da população adulta pernambucana já tomou a segunda dose. Chegando no período preconizado, não deixe de tomar o reforço. Essa proteção se faz ainda mais necessária com a circulação da variante Ômicron, considerada com maior poder de propagação", pontua.

 

 

SEQUENCIAMENTO GENÉTICO - Outra análise da Opas/OMS afirma que Pernambuco é o segundo Estado do país que mais identificou por sequenciamento genético a presença da variante Ômicron em amostras biológicas de pacientes positivos para a Covid-19. Isso não significa que o Estado tenha mais casos, mas que conseguiu detectar mais, a partir de parceria firmada com o Instituto Aggeu Magalhães (IAM / Fiocruz PE), responsável por esse trabalho.  

"O Aggeu Magalhães tem sido um parceiro essencial durante esta pandemia. Os pesquisadores do Instituto têm recebido as amostras biológicas dos pacientes com Covid e feito o sequenciamento genético para avaliar quais as cepas estão em circulação. Isso é indispensável para identificar as novas variantes e auxiliar na tomada de decisões por parte do Governo. Esse é um trabalho constante e permanente para que possamos, a partir da ciência, nortear as ações para controle desta pandemia", frisa o secretário André Longo.

Até 19 de janeiro, de acordo com a Opas, foram confirmados 811 casos da Ômicron no Brasil, sendo 156 no Rio de Janeiro e 145 em Pernambuco. Outros 14 Estados também reportaram a variante.