Secretário estadual de Saúde, André Longo participou, na manhã desta sexta-feira (12.04), da abertura do IV Simpósio em Oncologia do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP), que acontece nesta sexta-feira (12.04) e sábado (13.04), Mar Hotel Conventions, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Além do superintendente geral do Hospital de Câncer, Hélio Fonseca, e do gestor estadual, estavam também o presidente do IV Simpósio, Vandré Carneiro; o chefe da Comissão de Organização do evento e assessor da superintendência de Ensino e Pesquisa do HCP, Guilherme Costa; o superintendente técnico do HCP, Fábio Costa Malta; e o superintendente Geral do HCP Gestão, Filipe Bitu. O Simpósio tem a proposta de integrar as instituições e os profissionais de saúde, visando a disseminação do conhecimento oncológico e atualização dos temas e tecnologias voltados aos desafios globais do tratamento do câncer.   

Em sua fala de abertura, o secretário André Longo, que assumiu a pasta estadual em janeiro, parabenizou a gestão do Hospital de Câncer pela criação do evento para promover a discussão da assistência à saúde com foco nos pacientes oncológicos. Destacou, ainda, o comprometimento da Secretaria Estadual de Saúde (SES) com a qualificação e a ampliação do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).  

Entre os temas abordados no evento, a “Judicialização na Assistência Oncológica”, assunto considerado necessário pelo impacto no orçamento causado pelas medidas judiciais na área da saúde. A mesa redonda contou com a participação da secretária executiva de Atenção à Saúde da SES, Cristina Mota; do promotor de Justiça, Édipo Soares; e da gestora institucional, Jurema Telles, unindo profissionais da saúde e do judiciário para tratar da temática. O debate foi mediado pelo médico oncologista e ex-secretário de Saúde do Estado, Iran Costa. 

 

Na explanação, Cristina Mota destacou que muito se tem a avançar nas discussões que envolvem o tema. “A judicialização interfere de forma significativa no planejamento das ações de saúde, podendo comprometer as políticas sociais existentes e enfatizando as distorções sociais. Não é toda a população que tem acesso à judicialização. A saúde é um direito garantido constitucionalmente, mas o caminho para sua efetividade não pode ser definido pela via judicial”, disse.  

O Simpósio ainda abordará temas como os cânceres colorretal, gástrico e de pâncreas; a abordagem ao paciente oncológico em UTI; hematologia; assistência integral e cuidados paliativos e também o câncer na mulher.