Desde o início de fevereiro, a Operação Lei Seca (OLS) em Pernambuco está atuando nas ruas com foco mais intenso nos locais onde ocorrem as prévias carnavalescas, acompanhando o calendário de desfiles, blocos, shows e bailes. Neste ano, as equipes de fiscalização estão atuando com reforço de oito motos, que acompanham os bloqueios diários e ficam em pontos estratégicos, próximos a retornos e conversões; e contam com o apoio de uma equipe da Companhia de Policiamento com Cães (CPCães). 

 

"Muitos motoristas ao se depararem com as blitze fazem manobras arriscadas, inclusive, pela contramão, desrespeitando o Código de Trânsito Brasileiro e cometendo infrações que podem causar acidentes graves, já que todas essas manobras possuem locais apropriados e requerem sinalização correta. Outros, param indevidamente na via, fazendo com que outros veículos arrisquem movimentos para fazer o desvio. As motos terão essa mobilidade no trânsito para evitar ou autuar esses condutores", comenta o coordenador da Operação Lei Seca em Pernambuco, Luciano Nunes.

 

Só no primeiro final de semana deste mês, foram 93 multas por alcoolemia - sendo 71 recusas ao teste do bafômetro, 2 crimes e 20 constatações. Em todo o mês de janeiro deste ano, foram 388 multas por alcoolemia - 281 recusas, 8 crimes e 99 constatações do uso de álcool por motoristas. O número ainda é menor do que janeiro do ano passado, mesmo com mais de mil condutores abordados a mais este ano. Foram registrados, em 2016, 465 multas por alcoolemia - 107 constatações, 15 crimes e 343 recusas. Todos os condutores foram autuados por infração administrativa, que prevê multa gravíssima com a perda de sete pontos na carteira, recolhimento da Carteira Nacional de Habilitação e aplicação de multa no valor de R$ 2.934,70. 

 

"Nossa intenção com os bloqueios é reduzir o uso nocivo do álcool associado à direção. As pessoas não devem arriscar beber e dirigir e isso garantirá um Carnaval alegre e seguro. Queremos reduzir ainda mais os números de alcoolemia e nosso compromisso é diminuir taxas de mortes e acidentados no trânsito", diz Luciano. As atuações estão sendo feitas em parceria com o Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Pernambuco (DER-PE), Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTRAN), Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE), Polícia Rodoviária Federal (PRF), guardas municipais, Samu-192 e Universidade de Pernambuco (UPE).