A Vigilância de Riscos Ambientais caracteriza-se como um conjunto de ações desenvolvidas pela Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde, que propiciam o conhecimento e a detecção de mudanças nos fatores determinantes e condicionantes do meio ambiente que interferem na saúde humana, com a finalidade de identificar as medidas de prevenção e controle dos fatores de risco ambientais relacionados às doenças ou a outros agravos à saúde.
 
Vigiágua
 
O Programa de Vigilância da Qualidade da Água para o Consumo Humano – Vigiágua - é definido como um conjunto de ações adotadas pelo setor saúde, para verificar a qualidade da água consumida pela população, além de avaliar os possíveis riscos que a água pode representar à saúde. O principal objetivo do Vigiágua consiste em garantir que a população receba a água fornecida pela prestadora de serviços dentro do padrão de potabilidade estabelecido na legislação vigente (Portaria GM nº 2914/2011), como parte integrante das ações de promoção da saúde e prevenção dos agravos transmitidos pela água.
 
Dentre os Objetivos específicos do Programa está a redução da morbi-mortalidade por doenças e agravos de transmissão hídrica, por meio de ações de vigilância sistemáticas da qualidade da água consumida pela população. O programa monitora, mensalmente, a qualidade da água em municípios de todo o Estado. As ações são feitas em parceria com o Laboratório Central de Pernambuco (Lacen /PE) e Laboratórios Regionais. Existem 09 laboratórios de água implantados nas Regionais de Saúde (I, II, IV, V, VI, VII, VIII, IX. X e XI Geres) e 03 em fase de implantação (III e XII Geres).
 
São analisadas amostras procedentes de sistemas de abastecimento de água (SAA) e de Soluções Alternativas Coletivas (SAC) e são avaliados os seguintes parâmetros: presença ou ausência de coliformes totais e termotolerantes (principal indicador de contaminação fecal) e parâmetros físico-químicos como o cloro residual livre e a turbidez.
 
Vigiar
 
O Programa de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Poluentes Atmosféricos – Vigiar - tem por finalidade a promoção da saúde da população exposta aos fatores ambientais relacionados a poluentes atmosféricos. No estado de Pernambuco, o Vigiar busca a priorização de áreas com atividades de natureza econômica ou social que gerem poluição atmosférica de modo a caracterizar um fator de risco para as populações expostas. É aplicado o Instrumento de Identificação dos Municípios de Risco (IIMR), que auxilia na verificação da existência de fontes de emissão de poluentes, assim como no acompanhamento da evolução da taxa de mortalidade e de internações por doenças do aparelho respiratório nos municípios.
 
Vigidesastres
 
O Programa de Vigilância em Saúde Ambiental dos Riscos Decorrentes dos Desastres – Vigidesastres - busca desenvolver ações para reduzir a exposição da população aos riscos de desastres e minimizar os danos à saúde decorrentes do desastre, bem como estabelecer diretrizes para organização, planejamento, preparação e resposta do setor saúde. Em Pernambuco, o programa abrange desastres de origem natural e antropogênica.
 
Desastre de Origem Natural
 
Os desastres de origem natural estão, na maioria das vezes, associados a terremotos, ciclones tropicais, tornados, vendavais, inundações, secas e erupções vulcânicas e podem se constituir em uma ameaça em qualquer região do mundo, causando diferentes danos e efeitos à saúde da população de uma determinada localidade. Na perspectiva da saúde pública, os desastres se definem por seu efeito sobre as pessoas e sobre a infraestrutura dos serviços de saúde. Entre os desastres de origem natural no Brasil, estão as inundações  que ocorrem com maior frequência  e a seca , tendo como características relevantes a possibilidade de abranger uma grande área.
 
Para atuar com resolutividade em situações de enchentes e inundações, a Secretaria Estadual de Saúde publicou em 2010 o Plano Estadual de Contingência para Enfrentamento de Desastres de Origem Natural com ênfase em Enchentes. O documento aponta estratégias para apoiar as ações de promoção, vigilância e assistência à saúde frente à ocorrência de enchentes ou inundações. Em situações de seca e estiagem a SES mantém articulação com diversos Órgãos para o desenvolvimento de ações visando minimizar os danos à saúde provocados pelos eventos acima citados.
 
Desastres de Origem Antropogênica
 
Os desastres de antropogênica são resultantes de acidentes com produtos químicos perigosos. A estruturação do programa abre perspectiva para ampliação da participação do setor saúde no planejamento de ações, possibilitando uma abordagem abrangente dos problemas e dificuldades para melhoria da resposta dos atores do SUS em emergências químicas, por meio da criação de Planos de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida a Emergências Ambientais envolvendo Produtos Químicos Perigosos- P2R2 no âmbito da Saúde.
 
Vigisolo
 
O Programa Vigisolo tem por objetivo desenvolver ações de vigilância em saúde de populações expostas a solo com suspeita de contaminação, visando recomendar e instituir medidas de promoção da saúde, prevenção dos fatores de risco e atenção integral conforme preconizado no Sistema Único de Saúde. Dentre suas ações destacam-se: identificar e priorizar áreas com populações expostas a solo com suspeita de contaminação; realizar articulação com os órgãos ambientais; apoiar ações de educação em saúde e mobilização social; e apoiar a capacitação de profissionais.
 
Por meio do Sissolo - Sistema de Informação de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Solo Contaminado - são realizados os registros das informações sobre populações expostas a áreas com suspeita de contaminação. O cadastramento contínuo dessas áreas por parte dos municípios e estados permite o monitoramento da saúde dessas populações, bem como a estimativa de pessoas expostas ou potencialmente expostas. O instrumento utilizado para alimentar o Sissolo é a ficha de campo, que possui quatro blocos. O primeiro referente à localização, o segundo a área, o terceiro à população potencialmente exposta, e o último referente a informações gerais (estudos sobre a área, informações quanto à exposição humana e contaminação ambiental).
 
Vigilância de Riscos Ambientais
Gerente: Roselene Hans
Telefone: (81) 3184.0190

Aplicativos

Nenhum documento para download encontrado.