O tétano é uma doença infecciosa aguda não contagiosa, causada pela ação de exotoxinas produzidas pelo Clostridium tetani. Ele provoca um estado de hiperexcitabilidade do sistema nervoso central e os sintomas clínicos são febre baixa e espasmos. Em geral, o paciente mantém-se consciente e lúcido. A doença apresentou uma elevada letalidade entre 1990 e 1997, com diminuição alternada em alguns anos. Essa diminuição acontece quando o diagnóstico e o inicio do tratamento são precoces.
 
Uma ocorrência maior dos casos tem sido observada em adultos jovens, em pessoas com 60 anos e mais e o sexo predominante é o masculino. Apesar de ser uma doença imunoprevenível, continuam ocorrendo casos e óbitos em pessoas não vacinadas ou com vacinação incompleta. É importante destacar que a vacinação é a principal medida de prevenção do tétano e que os adolescentes e adultos devem receber um reforço dessa vacina a cada 10 anos. Ressalta-se que diante de acidentes e para prevenção do tétano neonatal o reforço da vacina deve ser realizado a cada cinco anos.
 
Enquanto em 2011 ocorreram 20 casos de tétano acidental, dos quais, um evoluiu para óbito (letalidade de 5,0%), em 2012 observou-se redução dos casos (13 casos confirmados até setembro) e elevação da letalidade (38,5%). Quanto ao tétano neonatal não havia registro de casos desde 2006 e em 2011 foi registrado um caso/óbito.  No ano de 2012 até março de 2013, não houve registro de casos de tétano neonatal. O Hospital Oswaldo Cruz é referência em Pernambuco para o tratamento do tétano.
 
Vigilância Epidemiológica do Tétano
Coordenação: Ana Antunes
Técnica: Alice Rodovalho
Telefone: (81) 3184.0224
Fax: (81) 3184.0193

Aplicativos

Nenhum documento para download encontrado.