O secretário estadual de Saúde, Frederico Amâncio, recepcionou o secretário de Saúde de Alagoas, Hebert Motta, durante visita, na manhã desta quarta (10/11), ao Hospital Metropolitano Sul Dom Helder Camara, localizado no Cabo de Santo Agostinho. Motta veio conhecer as instalações físicas e a forma de funcionamento da unidade, para implantação de modelo semelhante no Metropolitano de Maceió, que começa a ser construído no próximo ano.

“Ficamos lisonjeados com a visita e com o interesse que Alagoas tem em seguir um padrão semelhante ao nosso”, frisou Frederico Amancio, que ainda lembrou de vistorias anteriores com representantes da Bahia e de Paraíba.

Já Hebert Motta reforçou as parcerias entre Alagoas e o Estado. “Pernambuco é a nossa maior referência, atualmente, pela cooperação que estabelecemos e pelos projetos que estão em funcionamento. Queremos entender o perfil da unidade e as formas de atendimento, para fazermos o nosso plano”, afirmou Motta. O secretário ainda contou que o projeto do Metropolitano de Alagoas é igual ao feito em Pernambuco.

Além do Metropolitano Sul, o secretário de Saúde de Alagoas e sua comitiva, formada pela equipe técnica e secretários municipais de Saúde, foram à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira com o mesmo intuito. Atualmente, Pernambuco possui 11 UPAs em funcionamento, sendo o Estado que mais inaugurou unidades dentro dos padrões do Governo Federal. Alagoas abrirá a sua primeira UPA em dezembro e a previsão é ter oito funcionando até março de 2011.

DOM HELDER – Inaugurado em julho de 2010, o Metropolitano Sul, hospital de alta complexidade, atende nas especialidades de clínica médica, cardiologia e traumato-ortopedia. Os pacientes chegam referenciados de UPAs, da Central de Regulação, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros, além de vítimas de acidentes ocorridos nas proximidades.

O hospital conta com 821 funcionários, sendo 172 médicos. Mensalmente, há uma média de 1,5 mil atendimentos de urgência, 2,5 mil atendimentos ambulatoriais e 350 cirurgias. A Fundação Imip é a responsável por gerir os serviços.