Referência em todo o estado no atendimento odontológico de pacientes com deficiência, o Hospital Regional do Agreste (HRA), localizado em Caruaru, apresentou, na última sexta-feira (22), um projeto de residência que abrange o citado serviço especializado.

 

Representantes da Escola de Governo em Saúde Pública de Pernambuco (ESPPE), da coordenação de saúde bucal do estado e do município foram recebidos pelo diretor médico do HRA, Frank Lima, pela coordenadora de atendimentos a pessoas com deficiência sob anestesia geral do HRA, Maria Cristina Andrade, pela coordenadora da residência em enfermagem, Raianne Monteiro, e pelo coordenador do Núcleo de Educação Permanente (NEP) do HRA, Gabriel Gomes.

 

A coordenadora de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão da ESPPE, Cindy Ceissler, explicou que a escolha do HRA para abrigar essa residência deu-se pelo fato de a unidade já ser uma referência nesse tipo de atendimento no interior. “Além do Recife, a gente só tem em Caruaru uma equipe para viabilizar esse processo. E, conseguindo essa residência, é uma rede que a gente vai ter os níveis de atenção à saúde bucal, que contempla a formação, a atenção na integralidade do atendimento”, completou Cindy.

 

A regionalização dos serviços é mais um dos benefícios da residência.Fortalecer o serviço com essa residência vai fazer com que qualifique o serviço, mas também que amplie o número de profissionais realmente qualificados para ofertar esse atendimento de forma regionalizada, entendendo que a maioria das residências em Odontologia, que acontecem aqui no estado de Pernambuco, é na Região Metropolitana de Recife, e a gente atualmente só possui uma residência voltada para pacientes com necessidades especiais. Então, trazer esse olhar para outras regiões fora da RMR é extremamente importante para o fortalecimento da saúde bucal no estado”, pontua Pamella Paixão, coordenadora estadual de saúde bucal.

 

Precursora do atendimento odontológico a pessoas com deficiência, a odontóloga Maria Cristina Andrade, que também é coordenadora de atendimentos a pessoas com deficiência sob anestesia geral do HRA, comemora a possibilidade de oferecer a especialização no Agreste.“Nós chegamos a atender pessoas de outros estados haja vista a escassez de profissionais habilitados para um trabalho tão delicado, que é feito com muito cuidado e responsabilidade e que visa, essencialmente, humanizar e otimizar o atendimento às pessoas com deficiência, diminuindo tempo de translado, de espera e, também, o sofrimento do paciente e dos seus familiares”, pontua a coordenadora.

 

O projeto de Residência de Odontologia para Pacientes com Deficiência vai ser submetido à análise do Ministério da Saúde. Caso seja aprovado, a primeira turma deve começar no primeiro semestre de 2025. Atualmente, o Serviço de Atendimento Odontológico de Pacientes Especiais (SAOPE) do HRA realiza quase 500 procedimentos por mês.